segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Mr. Pena Negra

Não é segredo que algumas pessoas “tocam nos “ mais que outras, seria uma hipocrisia dizer o contrario..

E o João antes de me tocar fisicamente , foi me tocando através da musica.. E certo e sabido que a musica junta povos e gentes e foi a musica entre outras coisas que nos aproximou..

Ele começou por me contactar através de email.. e de email para cá e para lá o conhecimento mutuo mas superficial foi acontecendo.. Depois vieram os links de algumas musicas em jeito de dedicatória e como ele me “seguiu” ate dois fóruns onde participo, as dedicatórias passaram a ser publicas , desafiantes e constantes..

Pode parecer utópico , mas a cada musica trocada entre nos começou se a aprofundar o nosso conhecimento..

O João escolheu o dia para fazer uma marcação comigo e eu comecei a coleccionar a banda sonora que nos iria acompanhar ..

Chegado finalmente o dia , a caminho para cá vi algo que ate então nunca tinha visto naquele sitio: dois passarões lindos , de penas negras e brilhantes que me deixaram a pensar se me trariam bom ou mau auguro.. normalmente diz se que trazem mau, mas eu abanei a cabeça e pensei que eles estariam ali só para contrariarem as crenças populares..

Antes de vir para o apartamento, passei num hipermercado para comprar cerveja e groselha, pois tínhamos conversado acerca do que cada um gostaria de beber e como eu adoro tango (cerveja com groselha) , ficou decidido que era isso que iria mos beber..

Passado um tempito da hora da marcação, infelizmente ele mora muito longe, ele liga e eu já com aquele nervoso miudinho e cheia de ansiedade dou lhe as indicações para ele chegar ate a mim e depois de desligar e visto ser a primeira vez dele com uma acompanhante, revejo mentalmente o que tinha planeado (conversa inicial para quebrar o famoso gelo inicial, depois quando ele estivesse descontraído convidava o para o banho , etc e tal) , as musicas estavam supostamente bem organizadas e eis que ele toca a campainha e eu abro as portas, ficando a espera de o ver a aparecer nas escadas, e o coração a fazer pum.pum.pum e a querer sair pela boca …

Num ápice ele entra e…

 Sem que eu tivesse quase tempo de olhar para ele, entrega me uma saqueta de tang (tropical) e eu agarro nela sem perceber nada e nem me lembro que tang é quase igual a tango..

Ele abraça me e beija me logo de seguida, logo ali no hall de entrada..

Fecho os olhos e deixo me ir..

A paginas tantas, deu me vontade de o afastar só para o poder olhar .. ver..  apreciar..

Mas estava a ser também senti lo que não tive coragem nem força para isso, e entre beijos loucos de pura entrega, fui conduzindo o ate a sala que agora é o meu quarto..

A musica ia desfilando no computador, e nos desfilávamos ao som do desejo que estava a ser solto..

Despi-o e vi divertida que ele trazia uma tshirt preta dos rammstein.. um pormenor carinhoso da parte dele..

Com um certo custo fomos ao banho, faz parte da praxe , e com a ajuda da espuma fomos “conhecendo” melhor  .. ele é bem mais alto que eu, alias, eu é que sou canita e tive uma certa dificuldade em conseguir “roçar me” convenientemente.. bem que me pus em bicos dos pés , mas……… não cheguei bem “lá”..

Não conseguindo resistir, fiz lhe oral  logo ali eheheh mas depois voltamos para o quarto e caímos na cama ..

 Não vou descrever o que se aconteceu no restante tempo, que passou num ápice , pois existem momentos que quero guardar só para mim e nem preciso de os escrever para os recordar..

 Tive a habilidade, não sei como , de realmente ter conseguido organizar as musicas de maneira a terem o timming certo.. deve de ter sido algo que não voltarei a conseguir repetir, mas de facto as duas musicas que eu queria que passassem auge do primeiro clímax, passaram..

 Custou vê lo a vestir se para ir embora, mas já era tarde e como a outra vida, a que não é proibida já esperava por mim, tive de me fazer forte e reprimir um “fica”..

Poucos antes de ir embora, desfizemos a confusão do tang e do tango.. ate me esqueci dos preparativos que tinha fresquinhos no frigorífico . mas diga se que pelo menos a mim não me deu a sede  , só de outras coisas..

 Ele saiu e fiquei um momento ao pé da porta, enrolada no meu robe foleiro que não mostro a quase ninguém, e quando cheguei a janela a procura de um ultimo vislumbre, já não o vi..

Guardo o tang religiosamente junto dos presentes que vou recebendo..




Sem comentários:

Enviar um comentário